Campo Verde tem redução de 325% de casos de dengue em janeiro de 2022

95 0
De: Prefeitura Municipal de Campo Verde

A redução de 325% dos casos de dengue se deve ao tralho importante que a Prefeitura de Campo Verde está desempenhando para conscientizar a população sobre a importância de eliminar os vetores do “mosquito da dengue”. O dado corresponde ao período de 01 a 24 de janeiro de 2022, comparado ao mesmo período do ano passado, de acordo com a Vigilância Epidemiológica do Município. Os casos caíram de 65 para 20.

Considerando a tendência de queda, se espera uma redução significativa de contaminações em 2022 em relação à 2021, em que 612 casos foram registrados no total. Mas para que os casos de dengue sigam essa redução, a população precisa fazer a parte dela. Como o mosquito Aedes Aegypti se reproduz muito rápido, em menos de 24 horas, a limpeza do quintal e os cuidados para não deixar água acumulada precisam ser diários e com muita atenção.

Segundo a vigilância epidemiológica, a maioria dos focos do mosquito está dentro de casa. “Embora tenha havido essa redução dos casos de dengue, é indispensável que se reforce os cuidados dentro de casa e na área externa do imóvel e no ambiente de trabalho. O foco produz a larva, que produz o mosquito que vai espalhar a doença. Campo Verde tem um clima favorável para o mosquito. Como uma larva pode durar até um ano, é preciso fazer de tudo para eliminar possíveis criadouros. 15 minutos por semana de vistoria é o suficiente para acabar com os focos do mosquito da dengue”, orienta Patrícia Alcântara, enfermeira da vigilância epidemiológica.

Alcântara também lembra que o município já está passando por uma situação complicado por causa da Covid-19, “nós já estamos vivendo uma pandemia de Covid-19, e não precisamos passar por outra epidemia. A dengue é uma doença que mata. Por isso, é preciso tomar todos os cuidados. Quem ama cuida”, afirma.

O Aedes Aegypti, popularmente conhecido como o “mosquito da dengue”, também é transmissor de outras doenças como zikavírus e chikungunya. Em caso de sintomas como dores de cabeça, atrás dos olhos, nas articulações, muscular, febre e nas costas, a orientação é procurar a unidade de saúde mais próxima para se consultar com um médico.