Homem é preso e armas, munições, coletes à prova de balas e itens de proteção são apreendidos com grupo que aterrorizou Confresa (MT)

124 0
Por g1 Tocantins
Polícia prendeu um dos suspeitos na tarde desta terça-feira — Foto: Divulgação/PM-TO

A operação realizada por forças policiais na zona rural de Pium, no oeste do estado, localizou diversos pertences do grupo criminoso que está escondido na região. Nesta terça-feira (11), foram encontrados e apreendidos armamentos de grosso calibre, milhares de munições, coletes a prova de balas e até capacetes de uso militar.

Os criminosos são suspeitos de aterrorizar a cidade de Confresa (MT) no domingo (9). Desde segunda-feira (10) estão no Tocantins e teriam chegado ao estado em barcos. Eles entraram em confrontos com a Patrulha Rural da região e fizeram uma família refém.

Armas são de grosso calibre, informou a Polícia Militar — Foto: Divulgação/Polícia Militar
Armas são de grosso calibre, informou a Polícia Militar — Foto: Divulgação/Polícia Militar

Em imagens divulgadas pela Polícia Militar (PM), é possível ver que no material também havia mais de dez coturnos, luvas, mochilas, gorros e outros protetores corporais. No arsenal também tem mais de 40 carregadores (pente) e armas de fogo.

A PM confirmou que um dos suspeitos foi baleado e morto em confronto com as equipes. O corpo foi levado na tarde desta terça-feira para o Instituto Médico Legal (IML) para identificação. Uma pessoa foi presa.

Material apreendido durante força-tarefa na zona rural de Pium — Foto: Divulgação/PM
Material apreendido durante força-tarefa na zona rural de Pium — Foto: Divulgação/PM

Ainda segundo a corporação, operação avança e os bloqueios policiais continuam na região. As recomendações à população permanecem, para que evitem andar por estradas vicinais da região e pela TO-080.

Em entrevista à TV Anhanguera nesta terça-feira, o porta-voz da PM, major Moraes, disse que as armas e munições apreendidas eram capazes de derrubar helicóptero e que os criminosos continuam fortemente armados. A princípio, as equipes estão fazendo um inventário de tudo que foi apreendido.

Uma base foi montada na sede da fazenda Agrojan e as buscas pelos suspeitos também contam com embarcações e aeronaves. Além da Polícia Militar, a operação tem o apoio da Polícia Civil do Tocantins, Polícia Federal e as Polícias do Mato Grosso, Goiás e Pará.