Incêndio e morte – Vítima conheceu suspeito há 1 mês em bar onde ele trabalhava

70 0
Do: MidiaNews
Uma das melhores amigas de Soniamar Muniz conta como foi a aproximação dos dois
Soniamar Martins Muniz ao lado da amiga, Marileide Teixeira

O jovem Gabriel Pires de Moraes, de 21 anos, investigado pela morte de Soniamar Martins Muniz, de 57, ocorrida em Jaciara na sexta-feira (2), teria conhecido a vítima há menos de um mês em um bar onde ele trabalhava como garçom.

Soniamar morreu após o seu apartamento, no Centro da cidade, pegar fogo. A Polícia trabalha com a hipótese de que ela tenha sido morta e, em seguida, queimada por Gabriel, que teria tentado simular um suicídio. Ele está preso preventivamente.

A auxiliar de Contabilidade Marileide Teixeira, de 47 anos, era amiga próxima de Soniamar e acompanhou o breve contato entre ela e Gabriel, que não passou de uma “paquera”. A vítima tinha acabado de sair de uma relação à qual ainda estava muito apegada.

“Ela gostava muito de sair, chegava quinta, sexta e sábado, a gente já combinava de sair juntas. Nossas saídas eram almoços e barzinhos. Quando dava 21h, 22h já estávamos em casa”, disse.

“Ultimamente ela estava meio chateada, para baixo, por causa do ex. Aí fomos para esse bar e infelizmente ela conheceu esse cara, esse guri lá”.

Já na primeira cerveja, Gabriel se aproximou de Soniamar. “Eu não vi, sou desligada com essas coisas, mas ela contou, falou: ‘Você viu? Pegou em mim’”.

Pouco depois, Soniamar teria pedido uma música no estilo “sofrência” para chorar as mágoas do coração partido, segundo a amiga.

“Quando eu fui no banheiro, o outro garçom veio e pegou o contato dela. Quando voltei, ela falou: ‘O garçom pediu meu contato e eu passei’. Foi o colega dele quem pegou para ele.

Os dois então teriam começado a trocar mensagens, mas, segundo a amiga, Soniamar ainda estava apaixonada pelo ex. “Acho que ela estava buscando no Gabriel uma forma de distrair a cabeça de tudo que tinha acontecido com o ex”.

Marileide conta que a amiga tinha muitas incertezas quanto ao jovem e “medo de se arrepender”.

Soniamar teria deixado claro que havia acabado de sair de um relacionamento e não queria se envolver com ninguém.

“Ela me mandou mensagem dizendo: ‘O garçom está no meu pé. Ele quer vir aqui em casa de novo, não sei se eu deixo’”.  A noite do crime teria sido a segunda vez que Gabriel foi até a casa de Soniamar.

 

Noite do crim

Era por volta das 17h quando as duas amigas se encontraram em um bar, na quinta-feira (1), em companhia de uma terceira amiga. De lá, por volta das 19h, somente Soniamar e Marileide passaram em um espetinho para jantar.

“Quando nós estávamos no espetinho, o Gabriel mandou mensagem pra ela: ‘Que desculpa você vai inventar hoje?’, algo assim. Eu acho que todo dia ela inventava uma desculpa para não ver ele”, disse.

Marileide afirma ter deixado a amiga na porta de casa dela por volta das 20h. Antes disso, Soniamar quis passar em frente a uma igreja para tentar ver, nem que fosse de relance, o ex. “Por coincidência, viu”.

“Ela estava apaixonada. Eu chamava a atenção dela, falava que estava parecendo uma adolescente”.

Marileide falou com a amiga antes de dormir, e só na manhã do dia seguinte, quando já estava no trabalho, descobriu a tragédia.

“A filha dele falou comigo, falou que ela mandou mensagem, mas que não acreditava que a mãe tinha tirado a vida dela. Eu falei: ‘Não, Camila, sua mãe não… Ela não fez isso. Ela não fez isso com a gente”.

“E aí eu entrei em desespero e já comecei a falar: ‘Mataram ela, mataram, alguém matou ela’. Sabia que não tinha sido suicídio”.

Gabriel foi flagrado pelas câmeras de segurança saindo do prédio depois do início do incêndio. Mas ele nega ter cometido o crime.

No dia seguinte, o rapaz foi pego com os pertences da vítima e está preso preventivamente.