Após interrupções, presidente da CPI dos Atos Golpistas ameaça ir ao Conselho de Ética contra deputado da oposição: ‘Não vou permitir’

90 0
Por Filipe Matoso, Luiz Felipe Barbiéri e Pedro Alves Neto, g1

O presidente da CPI Mista dos Atos Golpistas, Arthur Maia (União Brasil-BA), ameaçou nesta quinta-feira (22) levar o deputado Abilio Brunini (PL-MT) ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, após uma série de interrupções de Brunini, que não faz parte da comissão, durante a sessão.

Em tom de voz elevado e com dedo em riste, Arthur Maia afirmou: “Vou encaminhar o nome de vossa excelência ao Conselho de Ética. Eu não vou permitir que vossa excelência fique tumultuando esses trabalhos da CPI. Vossa excelência não vai conseguir isso”, disse.

Nesta quinta, o presidente da comissão tem feito frequentes reclamações sobre as interrupções feitas durante a fala de parlamentares ou depoentes na comissão.

Nesta quinta, a CPI ouviu investigadores e investigados pelo episódio em que uma bomba foi colocada em um caminhão na entrada do Aeroporto de Brasília, às vésperas da posse do presidente Lula.

Discussão

Apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), Brunini interrompeu outros parlamentares e os depoentes desde o início da sessão. A discussão com Arthur Maia ocorreu após a exibição de um vídeo associando uma “tentativa de golpe” a políticos da oposição.

As imagens foram exibidas a pedido do deputado Rogério Correa (PT-MG), que afirmava que a “tentativa de golpe” no Brasil foi um “processo” que envolveu, entre outros episódios, o caso da bomba no caminhão em Brasília.

Em seguida, foi exibido o vídeo com reportagens exibidas por emissoras de TV sobre o assunto, e o deputado alegou que as imagens exibidas “doem” e “mostram”. Porém, Correa não conseguiu concluir a frase.

Nesse instante, Brunini apresentou uma questão de ordem, afirmando: “O que é isso, presidente? Ele não pode fazer em tom afirmativo, presidente”.

Arthur Maia, então, se dirigiu a Rogério Correa e afirmou que o deputado teria mais um minuto para concluir o raciocínio. Em seguida, afirmou ao plenário que, a cada nova interrupção, Correa teria mais um minuto.

“Mas, presidente, o senhor vai permitir fake news? Vai permitir fake news?”, indagou Brunini a Arthur Maia.

O presidente da CPI, então, respondeu ao deputado, em tom mais alto: “Eu afirmo à vossa excelência que vossa excelência não vai conseguir tumultuar nosso trabalho. Se vossa excelência insistir com esse seu papel, vou fazer uma representação da presidência contra vossa excelência no Conselho de Ética. Não vou aceitar isso.”

Arthur Maia, então, devolveu a palavra a Rogério Correa. O presidente da CPI foi aplaudido por parte dos presentes. Enquanto isso, Brunini sorria e fazia sinal negativo com a cabeça.