Suspeito de matar advogado em Arenápolis (MT) é procurado pela polícia

116 0
Por g1 MT
Vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu — Foto: Arquivo Pessoal

A Polícia Civil cumpriu, nessa quinta-feira (25), um mandado de busca e apreensão contra o suspeito do homicídio que vitimou o advogado Hur-Carlos Santos França, no último domingo (21), em Arenápolis, a 259 km de Cuiabá. O suspeito, Rafael Alan Silva Rodrigues, não foi localizado.

Segundo a polícia, durante as buscas, foram apreendidas as roupas que teriam sido utilizadas pelo suspeito no momento do homicídio do advogado, um capacete de moto, um celular danificado, que estava jogado na churrasqueira para ser destruído, além de diversos documentos que comprovam que ele mora no local.

Objetos encontrados durante as buscas  — Foto: Polícia Civil
Objetos encontrados durante as buscas — Foto: Polícia Civil

Ainda de acordo com a polícia, os objetos encontrados ajudam a investigação e confirmam os indícios de envolvimento do suspeito no homicídio do advogado. A motocicleta não foi localizada, apontando que ele pode tê-la escondido em outro local.

No momento do cumprimento do mandado, não havia ninguém na casa em que o suspeito mora com a sua mulher. A Polícia Civil incluiu o nome do suspeito na lista de procurados.

O delegado responsável pelas investigações, Hugo Abdon de Araújo Lima, informou que a identificação da autoria do homicídio e do veículo utilizado no crime foram possíveis depois de várias buscas feitas pela equipe de investigação da Polícia Civil.

O suspeito é procurado pela polícia  — Foto: Polícia Civil
O suspeito é procurado pela polícia — Foto: Polícia Civil
O crime

A Polícia Militar informou que o homicídio ocorreu quando Hurcarlos passava pela Rua Presidente Costa e Silva. A motivação do crime é investigada.

A vítima foi socorrida ainda com vida e encaminhada para a unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Representantes da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Diamantino foram até a unidade policial e acompanham o caso. Eles se dispuseram a contribuir com as investigações e apoio à equipe de investigação.