Segurança nas escolas é debatida durante reunião do GGI

98 0
De: Prefeitura Municipal de Campo Verde
Desde 2021, Campo Verde conta com programas e ações como o Escola Segura e o Círculo de Construção de Paz como forma de identificar e evitar ações violentas no ambiente escolar

Após os recentes casos de violência extrema registrados em escolas de São Paulo e de Santa Catarina, a segurança nos estabelecimentos de ensinos tem sido pauta debatida com mais atenção elas administrações públicas e pelas forças de segurança.

Na manhã desta segunda-feira (10) o assunto foi tema de uma reunião do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM) de Campo Verde, realizada no gabinete do prefeito Alexandre Lopes de Oliveira e que contou com a presença da secretária municipal de Educação Simoni Pereira Borges, representantes do Poder Judiciário, do Legislativo, Polícia Judiciária Civil, Polícia Militar e do Conselho Tutelar.

Em Campo Verde, um dos poucos municípios de Mato Grosso a contar com uma Secretaria Municipal Integrada de Segurança Pública, conforme ressaltou o prefeito Alexandre Lopes de Oliveira, investimentos estão sendo feitos ao longo dos últimos anos como forma de prevenir ações de violências no ambiente escolar.

Entre as ações citadas pelo gestor estão a instalação de câmeras de monitoramento nos prédios escolares, vigia nas escolas, portões com trancas automáticas e rondas frequentes feitas pela Polícia Militar dentro da Atividade Delegada.

“A gente, enquanto municipalidade, enquanto Poder Público, tem que estar agindo para poder levar segurança e levar sensação de segurança a todos, principalmente nos ambientes públicos”, observou Alexandre Lopes.

O prefeito destacou também que, além dos investimentos já feitos, mais recursos serão alocados para reforçar a segurança nas escolas, como a instalação de totens equipados com botão de pânico, câmera de vídeo com visão de 360 graus e leitor de OCR interligadas ao sistema de monitoramento do Município. Também serão instaladas câmeras de vídeo em mais 8 escolas.

“Graças a Deus, graças às Forças de Segurança, Campo Verde está sendo muito bem contemplado do ponto de vista de inteligência policial, do ponto de vista de aparato de segurança. E agora nós vamos rever algumas situações”, frisou o prefeito.

Segundo ele, a expectativa é que a partir da reunião desta segunda-feira seja criada uma agenda voltada ao reforço da segurança. “Tanto do ponto de vista de ações de pessoas quanto do uso de tecnologia e dispositivos”, disse o prefeito. “E não somente nas unidades escolares. Eu diria que a Segurança tem de ser vista de uma maneira mais ampla”, continuou ele. “Logicamente que, tocada por esses episódios [ataques a escolas em São Paulo e Santa Catarina] a gente traz as nossas atenções às unidades escolares, mas a nossa função nesse momento é proporcionar ideias e ações que permitam levar segurança de uma maneira geral à comunidade de Campo Verde”, completou.

A secretária municipal de Educação, Simoni Pereira Borges destacou que o tema violência e segurança nas escolas é uma pauta antiga da Administração Municipal, que tem desenvolvido ações como o Projeto Escola Segura, com o objetivo de dar maior tranquilidade à clientela escolar e aos pais dos alunos.

“Combater a violência na escola é algo necessário”, pontuou ela. “ Nós estamos falando na perspectiva de um caso muito intenso que aconteceu em Blumenau, mas quando a gente fala de violência nós estamos falando de modo geral: das brigas, dos conflitos, muitas vezes das famílias, que recorrem na escola. Essa reunião é realmente para intensificar o nosso olhar, pensarmos em mais estratégias além das que nós já estamos fazendo”, enfatizou.

Simoni comentou também que o acolhimento e a observação são ferramentas que auxiliam na identificação de sinais que possam ser interpretados como comportamentos violentos. Nesse contexto, o “Círculo de Construção de Paz”, um projeto em desenvolvimento em Campo Verde desde 2021 pela Secretaria Municipal de Educação em parcerias com o Poder Judiciário, é apontado como uma excelente ferramenta na formação de um ambiente escolar menos violento.

“A gente acredita muito nesse projeto e vem desenvolvendo ações com a Secretaria de Justiça, com as escolas, pensando nessa perspectiva de construir essa cultura de paz, de convivência, de harmonia entre pessoas”, disse a secretária.