Autor de explosão em supermercado de MT é preso e diz à polícia que tentou chantagear a empresa

168 0
Por g1 MT
Foto: Reprodução

O autor da explosão em um supermercado em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá foi preso pela Polícia Civil, nesta quarta-feira (12). Durante o interrogatório, ele disse à equipe que tentou chantagear a empresa, caso contrário acionaria explosivos caseiros instalados por ele mesmo no local. O crime ocorreu no dia 4 deste mês e uma criança de sete anos ficou ferida.

Segundo a Polícia Civil, na casa do investigado, de 33 anos, foram apreendidos objetos utilizados na fabricação de artefatos explosivos caseiros. Ele responderá pelos crimes de extorsão qualificada com agravamento pela lesão causada nas vítimas e explosão.

A polícia informou que durante o depoimento, o investigado tentou chantagear a empresa exigindo um pagamento em dinheiro. Segundo ele, o objetivo era causar prejuízos materiais em “quem tem muito dinheiro”.

Ele contou às equipes que colocou as bombas em duas unidades da rede de supermercados, e por a empresa não ter feito o pagamento do valor exigido, acionou o equipamento em uma das unidades.

De acordo com a Polícia Civil, o investigado é barbeiro e não possui passagens criminais. Ele alegou aos policiais que sabe manusear explosivos e fabricava bombinhas caseiras. Além disso, contou que planejava o crime desde outubro do ano passado.

Entenda o caso

Uma explosão, que atingiu um supermercado, no Bairro Vila Operária, deixou uma criança de 7 anos ferida. Câmeras de segurança do estabelecimento gravaram o momento exato da explosão.

Nas imagens, é possível ver pessoas circulando pelos corredores do local e, em seguida, o momento exato da explosão, que começa na lateral de uma gôndola, atinge o teto do estabelecimento, formando uma nuvem de fumaça que se espalha por todo lugar.

A criança que ficou feriada foi socorrida pelo pai e encaminhada ao pronto atendimento da cidade. Segundo o Corpo de Bombeiros, testemunhas e o gerente do local informaram que a explosão ocorreu devido a uma mercadoria que estava nas prateleiras do mercado.

Um dia após o crime, a Polícia Civil informou que encontrou indícios de que a ação teria sido criminosa.