Médicos formam comissão para investigar UPA de Sinop (MT) após morte de crianças à espera de UTI

81 0
Por João Carlos Morandi, TV Centro América
A comissão foi formada por profissionais da saúde que não atuam na unidade — Foto: TV Centro América

Uma comissão médica independente foi formada em Sinop, a 503 km de Cuiabá, para avaliar a situação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município depois que duas crianças morreram à espera de transferência para um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica.

A comissão, formada por profissionais da saúde que não atuam na unidade, fez uma vistoria na UPA na última segunda-feira (20) e deve apresentar um relatório do que foi visto na unidade.

Entre as reclamações apresentadas pela população, o aguardo por transferência e problemas de estrutura são as mais recorrentes. A visita técnica foi feita depois que uma segunda criança morreu, em menos de 15 dias, após a morte da primeira.

O aguardo por transferência e problemas de estrutura são as reclamações mais recorrentes. — Foto: TV Centro América
O aguardo por transferência e problemas de estrutura são as reclamações mais recorrentes. — Foto: TV Centro América

Segundo a secretária de saúde de Sinop, Daniela Galhardo, o motivo da visita da comissão médica condiz com as atuais condições de atendimento na unidade.

“Cerca de 35% dos pacientes que são atendidos na UPA não são de Sinop, então isso já foge da orçada do município. Como todos nós sabemos, os leitos de UTI são obrigação do estado. Hoje, nós estamos com 12 crianças internadas e uma delas precisa de UTI”, disse.

Nesta quarta-feira (22), a Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) informou que vai disponibilizar, no prazo de até 30 dias, 10 leitos de UTI pediátrica no Hospital Regional de Sinop. Além dos leitos intensivos, serão ofertados 15 leitos pediátricos em Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) e cinco leitos de retaguarda infantil no hospital. A previsão é de que sejam investidos cerca de R$ 22 milhões por ano nesta ampliação.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, a decisão de abertura dos leitos foi tomada em reunião com o governador Mauro Mendes, na tarde de segunda-feira (21).