Campo Verde liderou estudos que resultou em maior incentivo à cadeia do algodão

240 0
Assessoria

Terceiro maior produtor de algodão do Mato Grosso e terceiro do Brasil com 90 mil hectares plantados na última safra e com 15 algodoeiras e 4 fiações em atividade, Campo Verde é também o maior polo têxtil do estado, o que o coloca como protagonista na cotonicultura mato-grossense.
Todo esse potencial levou o Município a liderar um estudo que resultou no aumento dos incentivos concedidos pelo Estado para a cadeia do algodão, desde o campo até a indústria.
Entre as mudanças está a redução do FUNDES – Fundo de Desenvolvimento Econômico do Estado de Mato Grosso – de 6% para 1%. Também foi isentado o Fundo Estadual de Transporte e Habitação – FETHAB, para o algodão destinado à fabricação de fio por indústrias instaladas no estado.
Outra grande mudança destacada pelo prefeito Alexandre Lopes de Oliveira, foi o aumento do incentivo do PRODEIC – Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso – de 85% para 90%.
O prefeito entende que as mudanças na Lei de incentivo à cadeia da cotonicultura, vai tornar Campo Verde ainda mais atrativo para a instalação de novas indústrias ligadas ao setor. “Com essas mudanças, Campo Verde, que já é o maior polo têxtil do estado, se consolidará ainda mais nessa posição. E os reflexos disso tudo virão com o aumento da geração de emprego e renda para a população e da arrecadação do Município”, salientou o prefeito.