Família e motoristas de app fazem protesto: “Foi assassinato”

37 0
Do: MidiaNews
Igor Rafael e Marcelene Lucia morreram após um carro invadir a pista contrária e atingi-los em VG
Os pais do motorista de aplicativo (detalhe) pediram que população aderisse a movimento

Família, amigos e colegas de profissão do jovem Igor Rafael Alves dos Santos Silva, de 22 anos, morto em um grave acidente de carro na última sexta-feira (8), em Várzea Grande, organizam uma carreata reivindicando justiça.

O protesto, que será às 14h desta quarta-feira (13), irá da Orla do Porto ao Centro Político Administrativo, em Cuiabá.

No acidente, além do motorista de aplicativo, faleceu a diarista Marcelene Lucia da Silva Pereira. A filha dela, de 5 anos, também estava no carro e segue na UTI de uma unidade hospitalar. As vítimas foram atingidas por um Corolla desgovernado que estava em alta velocidade e invadiu a pista contrária, na Avenida Filinto Muller.

Os pais de Igor pediram que a população aderisse ao movimento e se juntassem a eles. O pai dele, Natanael, chamou de assassinato a morte de seu filho.

“Conto com a população para que a justiça seja feita em prol do meu filho e da dona Marcelene, que morreram naquele assassinato, podemos dizer assim. O rapaz estava alcoolizado”, disse.

“Como hoje aconteceu com meu filho, [amanhã] pode ser qualquer uma de vocês. Então, conto com o apoio de todos nessa luta”, disse Viviane, mãe do motorista.

 

“Sorridente e de bem com a vida”

Igor trabalhava como motorista de aplicativo e entre os colegas da categoria era uma pessoa muita querida.

“A gente sempre se encontrava nos postos. Era um cara que vivia rindo, de bem com a vida, tranquilo, querido com todo mundo. Nunca teve nenhum caso de reclamação. Uma pessoa do bem”, afirmou Adriano Moreira Fonseca, amigo do jovem.

Segundo o trabalhador, Igor tinha uma rotina puxada e, assim como outros motoristas, começava a trabalhar por volta das 4h da manhã, por causa da valorização no preço das corridas.

“O acidente foi por volta de 6h, 6h30. Isso poderia ter acontecido comigo, com qualquer um de nós. É um horário em que está todo mundo na rua e infelizmente esses irresponsáveis, que usam o carro como uma arma, voltando da balada”, disse.

A categoria já realizou um cortejo fúnebre em homenagem ao amigo, na manhã de sábado, e reuniu dezenas de pessoas.

Dessa vez, em protesto pelas duas vítimas, Igor e Marcelene, familiares, amigos e a categoria esperam reunir ainda mais pessoas.