Ex-policial civil é condenado a 16 anos de reclusão por matar desafeto com tiro na cabeça

36 0
Do: Olhar Direto
Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

O ex-policial civil Wellington Fernandes foi julgado e condenado pelo Tribunal do Júri de Tangará da Serra (a 239km de Cuiabá), na segunda-feira (14), pela morte de Pablo Brasil Heidemann em 2009. A pena arbitrada pelo homicídio qualificado por motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima foi de 16 anos, três meses e 29 dias de reclusão, em regime inicial fechado. Conforme a sentença, o réu poderá recorrer em liberdade, desde que submetido ao monitoramento eletrônico.

De acordo com a denúncia do Ministério Público de Mato Grosso, Wellington Fernandes matou Pablo Heidemann na noite de 6 de dezembro de 2009. No dia do crime, Wellington avistou Pablo no interior da loja de conveniência de um posto da cidade e foi até ele, arremessando em sua direção um copo de contendo bebida alcoólica.

A vítima saiu do local e, na sequência, o denunciado sacou uma pistola pertencente à Polícia Civil do Estado de Mato Grosso. Pablo tentou desarmar Wellington, porém o denunciado conseguiu se desvencilhar da vítima e, abusando de sua autoridade, efetuou um disparo na altura da cintura, fazendo com que a Pablo caísse no chão. Na sequência, com a arma em punho e olhando para as pessoas que o observavam, o denunciado efetuou o segundo disparo que atingiu a cabeça da vítima.

Segundo consta dos autos, a vítima foi socorrida, contudo não resistiu aos ferimentos, vindo a falecer no dia 9 de dezembro de 2009. O sentenciado Wellington Fernandes fugiu e se apresentou dias depois na Corregedoria da Polícia Judiciária Civil, em Cuiabá. O policial foi exonerado da corporação em 2015.