Criação do Plano Municipal do Livro, literatura e Bibliotecas de Campo Verde: A Biblioteca como porta de acesso ao conhecimento, lugar de cultura, memória e diversidade

42 0
De: Prefeitura Municipal de Campo Verde

Segundo a Secretária de Cultura, Lazer e Esportes já estava previsto para o ano de 2022 iniciar a construção desse importante documento que resguarda essa Política Pública que beneficiará todos os munícipes. “Tal empreitada, trata-se de uma iniciativa social e esforço de todos que lutam por um Brasil Leitor, compromisso de uma sociedade que almeja também uma nação livre, com cidadãos conscientes e formados para um bem comum e o gosto pelo belo. No entanto, para que nosso intento seja possível, precisamos promover certas ações, inclusive com as empresas privadas, no sentido de captar investimentos e financiamentos voltados para o direito à leitura à todos”, ressaltou Izaurides Kesia.

Os bibliotecários Valdeira e Valdiney ressaltaram que nesta primeira reunião, foi observada a necessidade da apresentação dos aspectos principais que norteiam o PNLL, haja visto a necessidade de um ponto de partida para as primeiras discussões, levantamento de ações e planejamento do PMLLLB.

“Desde 2006, ano em que foi lançado o Plano Nacional do Livro e da Leitura (PNLL), vimos poucos Estados ou Municípios engajando-se nesse importantíssimo movimento. Mesmo com a data há muito tempo vencida (três anos para estados e municípios) a meta não foi nem ao menos ‘desenhada’ pela sociedade civil dentro das políticas públicas”, complementou Valdeíra Aparecida Cardoso bibliotecária da biblioteca municipal Dona Maria Carlosso Fin.

FASES DE ELABORAÇÃO

Nos próximos encontros, à comissão irá discutir os quatro eixos que integram o plano:

1-Democratização do Acesso;

2-Fomento à leitura e à formação de mediadores;

3-Valorização institucional da leitura e incremento de seu valor simbólico;

4-Desenvolvimento da economia do livro.

“Depois de todo o trabalho de elaboração, resta conseguir que o plano seja aprovado na Câmara de Vereadores do município com orçamento para a execução das metas traçadas. Se não houver recurso, o texto acaba como uma carta de intenções”, pontuou a bibliotecária Valdeíra .

Após a formação de grupos de estudos e trabalho para a elaboração do texto, que contará com a participação de diferentes atores, como: executivo municipal, legislativo, entes da sociedade civil e instituições de ensino, com a mobilização de entidades e do poder público, o plano segue para Câmara de Vereadores para aprovação, a fim de garantir orçamento e execução.