Vaqueiro que matou cunhada na frente da filha é condenado a 28 anos de prisão em MT

156 0
Por G1 MT
Alessandra Fernandes Silva foi morta em Pontes e Lacerda em 2018 — Foto: Facebook/Reprodução

O vaqueiro Arley Fagundes Ricardo foi condenado a 28 anos de prisão pelo homicídio da cunhada Alessandra Fernandes Silva, de 29 anos, morta a facadas na frente da filha dela, de 4 anos, em novembro de 2018.

O julgamento ocorreu na segunda-feira (16). Arley também foi condenado por porte ilegal de arma de fogo e uso de documento falso.

A Justiça reconheceu a materialidade e autoria dos crimes, bem como as qualificadoras de motivo torpe, meio cruel, mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio (crime praticado contra a mulher por razões da condição de ser mulher).

Ainda conforme a sentença, o réu foi condenado ao pagamento das custas processuais, cumprirá a pena inicialmente em regime fechado e não poderá recorrer em liberdade.

De acordo com a denúncia do Ministério Público de Mato Grosso, o vaqueiro matou a cunhada Alessandra na frente da filha dela, de quatro anos de idade, em novembro de 2018.

“Na ocasião, Arley e Alessandra passaram a se desentender por motivos frívolos, de pequena importância. Ato contínuo, o denunciado passou a golpear a vítima, ocasião em que perfez agressões diversas e intensas e, para tanto, utilizou de objetos cortantes e contundentes contra a vítima”, narra a denúncia.

A vítima foi assassinada com golpes de arma branca, embora o denunciado portasse ilegalmente uma garrucha calibre 22.

Após o crime, Arley abandonou a arma de fogo no local e fugiu, sendo capturado pela Polícia Civil em junho de 2019, quando durante a abordagem apresentou documento de identidade falso.

O crime

Segundo o boletim de ocorrência da Polícia Militar, vizinhos denunciaram que ocorria uma briga dentro da residência da vítima e que disparos foram ouvidos no local

Quando a polícia chegou até a casa, viu que o portão estava com cadeado e chamou os moradores por várias vezes. Depois de cinco minutos, uma criança foi até os policiais.

Um dos militares perguntou sobre a mãe dela e a criança disse ‘minha mãe está morrida lá dentro’. Ela repetiu a frase e os policiais decidiram pular o portão da casa.

Alessandra foi encontrada caída com o rosto no chão na porta da cozinha.